História

Localização, Origem e Evolução.

O município de São Domingos do Capim, distante 130 quilômetros da capital do Estado, Belém (ver figura 1), está localizado na parte leste do Estado do Pará, na mesorregião do nordeste paraense, na microrregião do Guamá e com as coordenadas geográficas de 01° 40’ 45” de latitude sul e 47º 46’ 17” de longitude Oeste de Greenwich. Limita-se ao norte com o município de São Miguel do Guamá, à leste com Irituia e Mãe do Rio, ao sul com Aurora do Pará e a oeste com Concórdia do Pará e Bujaru (SEPLAN, 1997: 4).

Situa-se, geomorfologicamente, em uma zona plana, formada por sedimentos basaltos, sendo que a sede municipal apresenta uma altitude de 20 metros.

Seus acidentes geográficos mais importantes são os rios Guamá que percorre parte do município servindo de linha limítrofe com o município de São Miguel do Guamá; e o rio Capim que desemboca no rio Guamá em frente à sede do município.

Prevalece na região o clima equatorial super úmido, que apresenta pouco ou nenhum déficit de água. A temperatura média anual varia em torno de 26ºC, as chuvas, apesar de regulares, não se distribuem uniformemente durante todo o ano, sendo de novembro a maio a sua maior incidência (cerca de 80%), implicando em grandes excedentes hídricos e, consequentemente, em grandes escoamentos superficiais e cheias nos rios. A umidade relativa gira em torno de 85%. A vegetação original de maior predominância na região era a Floresta Umbrófila Densa (Hiléia Amazônica), porém com a colonização veio a exploração madeireira que devastou grande parte da cobertura vegetal original, restando hoje apenas uma pequena parte dessa vegetação, predominando nas áreas as vegetações secundárias como capoeira, capoeirão e florestas secundárias. Além das florestas umbrófilas, existem ainda nas áreas marginais aos rios e igarapés os ecossistemas de várzea e igapós (NUNES; SOUSA, 1997: 5).

Além do distrito sede, São Domingos do Capim possui outras localidades das quais se destacam as vilas de Perseverança e Nova Aliança (ver figura 17) como duas das maiores localidades em termos de população e importância para a economia municipal.

A origem do município deve-se às primeiras incursões portuguesas nos rios Guajará, Guamá e Capim. Em 1758, Francisco José de Mendonça Furtado, irmão de Sebastião de Carvalho, “Marquês de Pombal”, em cumprimento a uma lei de 6 julho de 1755 erigiu o pequeno povoado, então, existente, em freguesia, sob o oráculo de São Domingos da Boa Vista, com o qual adentrou a Independência do Brasil.

Enquanto, ainda, Boa Vista, o governo provincial decidiu transferir a pequena vila de local, devido à região ser constantemente assolada pelo fenômeno de terras caídas, consequência de um outro, o fenômeno da pororoca. Passando este a se localizar na confluência dos rios Guamá e Capim.

Na divisão da Província em termos de comarcas, nas sessões de 10 a 17 de maio de 1833 a freguesia de São Domingos da Boa Vista passou a fazer parte do município da capital, indo o seu limite até o igarapé Jurujaia, afluente esquerdo do rio Guamá. Como freguesia passou todo o período monárquico, encontrando-a nesta categoria, a República.

Com o decreto legislativo nº236 de 9 de dezembro de 1890, o governo provisório do Estado do Pará elevou à categoria de vila a sede da antiga freguesia, e com a mesma denominação e pelo decreto nº237 da mesma data constituiu  o respectivo território em município. Do primeiro Conselho Municipal, fizeram parte, o intendente municipal Hilário Antonio Barroso da Silva, os vogais Manoel Antonio Rodrigues de Souza, Félix Antonio de Nascimento e João Antonio Marcos. Também serviu no cargo o intendente Raimundo Aires Franco Pereira.

Através do decreto estadual nº720, de 19 de agosto de 1932, o município passou a se chamar São Domingos do Capim e pelo decreto-lei nº 4505 de 30 de dezembro de 1943, que estabeleceu a divisão territorial do Estado, o município recebeu o topônimo de “Capim”. Ainda em consequência deste mesmo dispositivo legal, o município perdeu os distritos de Guajará-Açu e Bujaru para o novo município com a última nomenclatura (IDESP, 1997: 5).

Alguns anos depois o município voltou a chamar-se São Domingos do Capim.

Ao longo dos anos com o povoamento do Estado, desenvolveram-se dentro do território do município várias localidades como Vila Rondon, Paragominas e Ipixuna as quais depois de alguns anos foram elevadas à categoria de municípios, fazendo com que a área geográfica de São Domingos do Capim fosse reduzida a menos de 10% da área anterior que em 1957 era de 37.612 km², ocupando o 9° lugar em superfície terrestre no Estado, hoje sua área é de aproximadamente 1.691 km². Com uma população aproximada de 28.000 habitantes, sendo mais ou menos 22.200 na zona rural e 5.800 na zona urbana (IBGE, 2000), conclui-se, então, ser este um município essencialmente rural e agropecuário.

O território municipal está dividido em duas grandes zonas: a Ribeirinha e a Terra Firme, sendo estas subdivididas em cinco subzonas.

A zona Ribeirinha está dividida em duas subzonas: a Guamá/ Capim e a Pirajauara/Patrimônio. E a zona de Terra Firme em três subzonas: a Mista, a Leste e a Alta. Uma divisão feita a partir das diferentes atividades desenvolvidas no município – agricultura, extrativismo e pecuária – obedecendo a características sociais, econômicas e ecológicas de cada localidade.

Fonte: SILVA, Maria Evaneide Pantoja da. A construção do desenvolvimento sustentável na agricultura familiar do Município de São Domingos do Capim/PA – Bragança, 2003.


Acessibilidade
Acessibilidade